Além do bem e do mal

religiao_11Fazendo uma analogia ao título do livro de Nietzsche vamos falar um pouco dos ideais (ou nulidade destes) que um psicanalista dever ter.
Preconceito é oposto ao perfil de um psicanalista. Explico: como se aventurar ao mundo de outrem se você já tem ideias preconcebidas do certo e errado? Não falo de valores e crenças. Um pouco de cada um é suficiente. Afinal como procurar ajuda de alguém que se quer tem opinião própria. Mas opinião é o que o analista menos vai usar durante um tratamento. Destarte já foi explicado que a cura se dá através da fala do próprio paciente. Como ser um espelho quando tem-se pré-conceitos da conduta e moral humana?
Se psicanalistas podem ter religião? Acredito eu que sim. Aliás eu mesma tenho. Contudo devo me abster das minhas crenças ao iniciar qualquer tratamento. Seja com alguém que compartilha minha fé, outro extremamente religioso e um ateu, claro.
Convenhamos, para não dizer todas (detesto generalizar), as religiões que conheço possuem postura, ideologia e julgamento para as condutas humanas. Dentro de cada concepção religiosa há condenação para quase todos os assuntos: sexo, profissão, família, cultura… e há as virtudes, lógico. Até porque existem 7 virtudes humanas e 7 virtudes divinas para cada 7 pecados capitais.
Ter uma grande bagagem de vida ajuda bastante. Imagina ter como analista alguém que poucas experiências boas e ruins? A identificação, empatia e confiança são premissas para que exista um elo analista-analisando.
Mas tome cuidado ao procurar ajuda com psicólogos e psicanalistas: existe um laço não uma dependência. Voce procura um psicanalista para ser curado e não para que ele seja sua cura.