Obrigada por existir querida L.

Screenshot_2014-08-19-08-40-453
Acordar com uma mensagem dessa me faz pensar como as pessoas são fantásticas!
Eu sempre disse que ela é meu xodó. Mas como não ser se eu vi uma campeã vencendo cada luta tão de perto?
Me lembro do dia que ela chegou 6 meses atrás tão frágil, as vezes tendo que vê-la mais do que duas vezes por semana, sempre atenta nos seus passos.
Me lembro 4 meses depois no dia que tive que dizer: Isso dói mais em mim, mas você pode receber alta! E choramos juntas quando ela respondeu: “não! quero ficar uma vez por semana só, isso (nossas sessões) me faz bem. conversar com você me faz bem. eu compraria um sapato, dois almoços com o que eu pago pra você. então prefiro continuar.”
Ela teve tudo pra não ir mais: férias, Copa, quase 1 mês sem conseguir escapar do trabalho e mesmo assim não parou. Quantas vezes apenas conversávamos sobre coisas banais? Quantas vezes eu passava duas horas falando sobre psicanálise e explicando pra ela sobre Freud, Lacan, Klein, complexos, sexualidade, infância, sonhos. Quantas vezes contava a ela sobre minha história de vida? Quantas vezes ela ja discordou e até ficou brava? Quantas vezes dividiamos (e ainda dividimos) risos e choros, opiniões, experiências…
E assim foi a mais perfeita prova de que o sucesso da psicanálise depende do vinculo, da transferência, da amizade e confiança. Ah, o mais importante: eu apenas me mantive ao seu lado, quem conseguiu a vitória foi ela. Somente ela. Como diz Freud: o analista apenas leva ao rio, quem decide atravessa-lo é o paciente. Eu sempre estive lá te esperando. E estarei todas as vezes que você atravessar. Pulando e acenando como se fosse na janela da sua sala.
Sabe, você não é só meu xodó; você é meu orgulho!

Vivian Fernanda
Psicanalista de uma mulher maravilhosa