*Porque quem ama nunca sabe o que ama Nem sabe porque ama, nem sabe o que é amar…

pilula heartcauks

Eu sempre me pergunto onde começa o amor e termina a razão. Deve ser tão tênue e frágil que nunca distinguimos a tal linha que separa o amor da razão. Lacan diz que o amor é dar o que não se tem, logo uma promessa. Ele ainda classifica a paixão em três tipos: o amor, o ódio e a ignorância. Para Lacan e (quase) todos os grandes psicanalistas deve haver profundo amor entre psicanalista e paciente. E mais: durante o tratamento o psicanalista deve transformar o amor na “demanda mais pura”. Bom, chamo isso de confiança, mas quem sou eu né?

Sabemos conceituar sentimentos como: raiva, pena, magoa, ansiedade, decepção e outros tantos. Mas o amor… o amor parece ser diferente. Ele varia desde “quem se ama” até “quando se ama”. Eu tenho algumas certezas com relação ao amor. E também sei com convicção sobre outro sentimento: dor! Tenho medo da dor. Não tenho medo de morrer ou de envelhecer. Mas tenho medo da dor. Todo tipo de dor. Principalmente a dor da alma que é a pior de todas elas. Ok a dor de amor fica empatado. Querem saber? Eu tenho medo da dor de amar! Só o Sr.Ninguém sabe de verdade que eu amo, erro, sofro, choro, ja falei que erro?

Nós devíamos ter comprimidos para bloquear as sinapses do hipotálamo. Não creio que nenhum cientista tenha inventado isso até hoje. Ele ficaria milionário. Acho que inventar a “pílula do amor” é sacanagem. Você obrigar uma pessoa a gostar de você? Então tu vai lá e coloca umas gotas de Amorol na bebida dela, dai ela se apaixona. Quem garante que vai ser justamente você? Agora… poderia existir uma pílula pra fazer um bloqueio na sinapses do hipotálamo. Então cessaria o sentimento do amor. Seria uma escolha. Assim como a religião, a profissão ou o futebol. Você não quer amar ninguém. Pronto. Dai seu talamo desliga o hipotálamo e de quebra você não sente raiva, dor, contudo também não sente alegria. Fica meio zumbi. Mas é o preço que se paga para não sofrer por amor.

Meio clichê né? Mas é muito ruim sofrer por amor. Isso é algo que realmente me assusta. Acho que quem ja tomou uma bezetacil, nunca mais quer tomar outra, é mais ou menos assim que funciona. Ainda não li nenhum livro que ensine a “desamar”. Sei como tratar a dor e o amor porém deixar de amar é improvável… Se Freud disse que não avocamos um pensamento, é ilusório delegar a função de amar! Devíamos ter o direito, liquido e certo, assegurado por Deus e pela constituição para gostar, deixar de gostar ou nunca gostar assim como algumas pessoas optam por não ter filhos, jogar vólei ou fazer teatro.

Vivian Fernanda
psicanalista, filosofa, apaixonada pelas pacientes e ama amar o noivo!

* poemas de Fernando Pessoa