Sobre o direito de Surtar

a-louca

Justamente um dia depois de presenciar um surto de choro, eu li a penúltima pagina da revista Gloss de outubro/2010, escrita por Clarah Averbuck. Ela começa: “Toda mulher tem o direito de surtar. Dar piti. Jogar umas coisas no chão e chorar.” Ela diz que a culpa é toda dos hormônios. Já que nao podemos controla-los, e temos tensão pré-menstrual, tensão-menstrual, tensão pós-menstrual… sabe, eu concordo com a autora, e me senti confortada de me dar ao direito justo e legal de dar piti!

Mas a verdade é que eu sou uma grande boba como qualquer outra mulher apesar de ser psicanalista full time. As crises de choro são muito profundas em mim. E não acho feio falar isso. Todas as mulheres (todas não mas 99%) choram, se descabelam, xingam, comparam, sonham, tem frustrações e objetivos. Epa, esse ultimo não. Ultimamente andei perguntando para minhas pacientes: qual seu objetivo? Depois de uma longa pausa respondem: -Não sei. Acho que não tenho nenhum objetivo. Neste momento me ocorre que existe uma diferente entre nós: -meu objetivo é curar você. E não escondo isso delas.

Eu não costumo chegar aqui e falar ou expor terceiros que me machucam porque aqui é meu palco e minha platéia quer ouvir meus sentimentos, minhas idéias e minhas alegrias. Não querem ter pena de mim. Pra isso existe a novela das oito! Elas também não querem chegar ansiosas no dia de sua sessão e encontrar alguém triste, nervosa, sem maquiagem que divide a caixinha de lenços e sem respostas… Elas querem vida!

Chorar é muito aliviante. É melhor do que todos os antipsicóticos que conheço e olha que quase todos servem para dopar ou mascarar a dor. Chorar dá um imenso cansaço físico sabe? Não sei se é assim com vocês. Mas me cansa muito mesmo, é um desgaste fora do comum. Só que no final: parece que tirei um peso de dentro. E eu já consegui a proeza de chorar um final de semana inteirinho. E mais: FUI NINJA! Escondido dos outros. Bem pelo menos eu acho…

Certa vez antes de aprender a meditar peguei o carro logo cedo e corri pra chorar no consultório da minha psicanalista. Só que chegando lá dei de cara com a porta. Uma paciente histérica com um monte de problemas emocionais ou psicólogicos estava fazendo o que?  Adivinhem? Dando piti! e daí eu tive que ir chorar em outro lugar(frutaquepartiu!).

Mais uma justificativa cientificamente comprovada para o piti: há pessoas que machucam a gente. Por que as pessoas machucam a gente? Eu acredito que nunca  machuquei ninguém. Sou canina: fiel e companheira. Mas ja tive que pedir desculpas por falhar, pedir desculpa pelos erros dos outros, por dar piti e fazer bobagem, mas conscientemente não machuquei ninguém (Sr Ninguém que tá ai de testemunha), no maximo foi sem querer querendo. Culpa do piti não dado!

E agora que eu trabalho dentro dos sentimentos das pessoas, essa dor dá lugar ao que posso fazer para aliviar, atenuar, transformar… Dizem que lagrimas são palavras que não puderam ser ditas, ou que cada lagrima ensina uma verdade. E quando as pessoas me perguntam da onde eu arrumo tanta resposta e a minha verdade é que há muito eu nao não sabia nada inocente. E há muito tempo também as pessoas me machucavam tal como machucam você. Eu me sentia espetada por vários espinhos de muitas rosas. Como algo tão sublime poderia causar dor?

Acontece (e depois que estudei e comecei a exercer a psicanálise) que entendi como até as rosas mais bonitas podem machucar. A maioria das pessoas sabem mais ou menos o que é a “projeção”, contudo a introjeção não comum à todos. Ainda mais sendo ambas ditas sob o significado psicanalítico. O fato é: quem introjeta sofre mais do que quem projeta. Quando amamos alguém, introjetamos a pessoa amada ao nosso “eu”. Já deu pra ter uma idéia do quanto quem ama sofre né? Projetar uma rosa e introjeta-la dentro de si para então descobrir que existem espinhos. E esses espinhos agora estão dentro de você. Dói né?

Tudo começa em uma rosa, depois o roseiral, o quintal, a casa toda, a cidade e por aí vai até chegar no mundo. E ainda acham ruim um simples piti? Concordo que o chuveiro consultório é o lugar mais adequado para dar um piti. Mas que fique claro: na rua, na chuva, na fazenda, onde for, temos o direito liquido e certo ao piti! E encerro meu monologo por aqui desejando ao Sr. Ninguém, meu eterno leitor, muitas rosas sem espinhos.

Vivian Fernanda
Psicanalista, jardineira, defensora do piti e fã do Sr Ninguém.